• domingo, 23 de novembro de 2008

    IX ASSEMBLEIA ARQUIDIOCESANA DA PASTORAL DA JUVENTUDE Arquidiocese de Pouso Alegre Ouro Fino, 06 a 08 de Fevereiro de 2009 TEMA: “PJ: ROSTO JOVEM TESTEMUNHANDO UM NOVO TEMPO” LEMA: “SE A JUVENTUDE VIESSE A FALTAR, O ROSTO DE DEUS IRIA MUDAR” SUBSÍDIOS PARA ELABORAÇÃO DAS ASSEMBLÉIAS PAROQUIAIS E SETORIAIS APRESENTAÇÃO Aos queridos/as irmãos e irmãs, artistas da caminhada, Estamos a caminhos da IX Assembléia Arquidiocesana da Pastoral da Juventude, é hora de revitalizar a organização para contribuir na articulação e resultar em ação, para isso precisamos de você! A Assembléia não é um fato isolado, é um processo que envolve a todos e precisa da nossa participação. O processo da assembléia já começou, não perca tempo, é hora de fazer valer suas experiências, ser eco das aspirações da juventude de nossa Arquidiocese. Você está convidado a deixar sua marca, use e abuse deste instrumento, ele foi feito para você! Nesta nossa assembléia, queremos garantir a participação e destacar a importância de cada um de nossos jovens e grupos. Por isso, desta vez, a assembléia acontece também dentro desses mesmos grupos e também nos setores. É este o motivo desse material. Queremos com ele fortalecer esse debate e reflexão, colhendo as aflições e os anseios de cada um de vocês. Desta forma, destacamos a importância da participação de todos nesse processo, seja participando de seus grupos, participando das assembléias ou mesmo orando, sua contribuição será fundamental. Após a realização das assembléias de seu grupo e seu setor, partiremos para o encontro maior, a IX Assembléia Arquidiocesana, na cidade de Ouro Fino, que nos acolherá nos dias 06, 07 e 08 de fevereiro. Lá, representantes e coordenadores dos grupos e setores estarão se reunindo, refletindo e celebrando nossa caminhada, testemunhando um novo tempo, rumo à tão sonhada Civilização do Amor. Mais uma vez, nosso desejo de que seu grupo e seu setor bem utilizem esse material. Da nossa parte, receba a Força é que nos motiva e nos acalenta. Paz e bem! EDPJ - Equipe Diocesana da Pastoral da Juventude Oração da IX AAPJ Deus da Vida, Senhor da História, Acolha a Juventude da Arquidiocese de Pouso Alegre, Que procura um novo céu e uma nova terra, Para que possamos testemunhar um novo tempo de esperança, lutas e sonhos, Unidos num só coração, trazendo no rosto a esperança de um mundo melhor. Senhor Jesus Cristo, força da Juventude, Derrama sobre nós sua misericórdia, mostra-nos um novo caminho, Ajuda-nos a crescer na fé, conserva-nos na unidade, paz e serenidade. Divino Espírito Santo ilumina nosso caminho, Para a construção de uma nova sociedade e uma “nova juventude”. Que possamos, com essa luz, levar sua palavra, Tornando-nos o rosto jovem de Deus. Maria, jovem discípula e missionária de Jesus, Ajuda-nos a dizer nosso sim, Para que nossa força jovem possa testemunhar um novo tempo Inspirando-nos a sermos sempre firmes e fortes Na Evangelização da Juventude. Que nós, da Pastoral da Juventude, Possamos ter o rosto semelhante ao de Cristo, O Jovem de Nazaré, Para evangelizar e ser o novo rosto do mundo, Pois sabemos que se a Juventude viesse a faltar, O rosto de Deus iria mudar. Por Cristo, Senhor Nosso. Amém, Axé, Awerê! TEXTOS PARA REFLEXÃO O CAVALEIRO E A SUA ARMADURA - Falando de Organização Organizar-se, ou a organização, não é simplesmente definir quais metas e objetivos a ser seguido para dizer que somos uma pastoral de caráter nacional, alimentada, nas mesmas metas e objetivos, que se repetem nos setores e, alicerçada, nas mesmas metas e objetivos que propomos aos jovens, para que eles se identifiquem conosco, na base. Começo este texto assim porque sei o quanto a visão de organização tem sido “curta” em nosso meio e o quanto a falta de clareza sobre o assunto tem feito com que esta questão seja adiada. Constatamos, e nisso somos bons, de que do jeito que andamos, não dá mais. Ouvem-se expressões como estas: “Nossa organização é falha”; “nossa estrutura é antiga”; “nossa organização não nos permite avançar com mais objetividade”; “o jovem não se sente cativado por nosso jeito de ser pastoral”... Esta realidade me faz lembrar uma história “simplezinha”, mas muito reveladora. Um cavaleiro foi desafiado por seu oponente. O desafiante era um exímio cavaleiro. O desafiado também tinha as suas qualidades e, ao aceitar o desafio tratou logo de diminuir todas as possibilidades de perder a disputa. Descobriu que se reforçasse a estrutura de sua armadura e melhorasse a resistência do impacto da sua lança, ele teria mais chances de vencer. Depois de analisar todos os pontos vulneráveis da sua proteção, fez um novo projeto que prontamente foi executado pelo ferreiro do lugar. Quando pronta, a nova armadura do cavaleiro precisou da ajuda de quatro homens para ser colocada nele, devido o seu peso. Mas, se tinha a certeza de que aquela nova “roupa” era segura e resistente. A vitória era certa. Acontece que, quando o cavaleiro montou no seu cavalo, o peso da armadura e da lança, fez com que o cavalo arriasse e sem o cavalo não se podia realizar o desafio. Assim muitas vezes acontece com a organização em nossas entidades pastorais. Agora, de uma forma muito pontual, coloco algumas idéias para delimitar nossas reflexões a cerca do assunto: - Não podemos refletir sobre organização, sem nos colocarmos dois parâmetros fundamentais: - Missão: organizamos-nos em vista do que temos como objetivo à realizar; - Pastoral: este parâmetro é o que “dá liga” à nossa organização. É o que somos. 2- A organização deve responder ao entendimento que temos sobre o campo de nossa atuação: - Olhamos para dentro a fim de um agir para dentro e para fora. 3- A organização deve contemplar espaços que: - Provocam cumplicidade; - Facilitam decisões e encaminhamentos; - Garantem continuidade; - Despertam compromissos. 4- É indispensável em qualquer estrutura organizativa: - A articulação; - A comunicação; - O registro (secretaria); - As informações centralizadas e unificadas; 5- É preciso ter consciência de alguns pontos críticos para toda e qualquer organização: - O Financeiro; - As distâncias; - A rotatividade de pessoas dirigentes; - O desvirtuamento do foco da entidade. 6- Há uma novidade importante na estratégia da organização, hoje: - Gestão: - de pessoas. - de estruturas. - de bens rentáveis. 7- Por fim, arrisco apontar critérios para uma organização pastoral atualizada: Critérios preliminares: - Conhecer a identidade do público alvo; - Optar por uma atuação libertadora; - Garantir em todas as instâncias o protagonismo. Critérios conceituais: 5 - Construir-se sobre uma base concreta e não sobre pessoas; - Promover os dons pessoais; - Respeitar regras financeiro-administrativas; - Ter uma estrutura leve e enxuta; - Basear as relações internas pela ética. Critérios produtores: - Visibilidade social; - Identidade pastoral; - Plano de ação por cenários; - Parcerias e redes para atividades focais; - Conquistas e avanços conjunturais. É preciso e urgente juntar idéias e reflexões sobre este tema. Você é um convidado a refletir e discutir na certeza de que o mutirão de idéias e de mentes abertas, dispostas a sonhar em uma nova opção organizativa, nos fará avançar. É preciso coragem e decisão pastoral. Pe. Hilário Dick PERGUNTAS: 1. Que dificuldades o Grupo de Jovens enfrenta no Planejamento e Organização de suas atividades? 2. O Planejamento é importante para a vida do Grupo de Jovens? Por quê? 3. Qual é a Identidade do nosso Grupo de Jovens? QUAL É O PAPEL DOS GRUPOS DE JOVENS DA PASTORAL DA JUVENTUDE? Josué Candido da Silva Em muitos documentos da Pastoral da Juventude fala-se que existem no Brasil em torno de 30 mil grupos de jovens. Mas o que são esses grupos? São grupos que se reúnem semanalmente, na maioria dos casos, que variam entre 5 e 30 membros que em geral se formam a partir do crisma. É um espaço onde os jovens falam de sua vida pessoal e buscam algum tipo de aconselhamento. Além disso, os grupos servem para criar laços de amizade e solidariedade entre os membros. Mas o grupo não é capaz de transcender seu horizonte comunitário e nem melhorar o grau de consciência de seus membros sem uma interferência externa nesse sentido. Assim, entram novos membros no grupo, outros saem, os anos passam e o grupo continua sempre na mesma. Muitos jovens e assessores, cansados da falta de objetivos dos grupos, criaram a Pastoral da Juventude. Os pioneiros da PJ achavam que os grupos deveriam ter um objetivo: formar lideranças. A partir da experiência de diálogo em grupo a PJ desenvolveu uma metodologia que leve os jovens a crescerem na fé e no compromisso social. A PJ cresceu e se organizou nacionalmente atingindo cada vez mais grupos. Os grupos se revelaram um ótimo meio para formar lideranças, mas permanecia a questão: Que lideranças? Lideranças do quê? Uns achavam que os jovens militantes atuariam nos chamados meios específicos: criando outros grupos em seu local de trabalho, escola, bairro. Outros achavam que os jovens deveriam ter uma atuação mais política, fundamentada no Partido dos Trabalhadores. Dos anos 70 quando a PJ foi criada (inspirada na Teologia da Libertação e os Concílios de Medellín e Puebla) pra cá, a conjuntura eclesial mudou sensivelmente e a PJ também. Hoje a Igreja se recolhe para dentro de si mesma e abandonou, quase que completamente as questões sociais. Nessa perspectiva, o projeto de formar lideranças para a atuação sócio-transformadora deixa de fazer sentido. Boa parte do clero não vê com bons olhos a atuação da PJ e preferem ter os grupos atuando apenas nas paróquias e desligados completamente da PJ e das causas sociais. A PJ passa a viver de si própria também. Forma lideranças que viram assessores e coordenadores da própria PJ que por sua vez, formam os novos assessores e coordenadores que irão formar... Muitos grupos nem isso fazem. Assumiram com todas as letras a função terapêutica: cantos carismáticos não incomodam e são bem aceitos, engajamento e compromisso passam longe do grupo. Assim, não faz já muito sentido discutir a diferença entre PJ e RCC, no fundo se tornam diferenças de “estilo”, de “atitude” e não de objetivos. O compromisso da PJ se resume a um DNJ festivo e de massas e não passa disso? Qual será o futuro da PJ? Parte da resposta de tais questões está em redefinir qual o objetivo da PJ e dos grupos de jovens a ela ligados. Ou os grupos vão se tornar cada vez mais voltados para seu próprio umbigo ou assumem o Projeto de Jesus Cristo indo ao encontro dos jovens excluídos, ampliando sua ação para além da sacristia. Então, o grupo deixaria de viver para si mesmo e passaria a trabalhar para a juventude e promoção do Reino de Deus. PERGUNTAS: 1. Qual é o Objetivo do Grupo de Jovens? 2. Existe diferença entre os Grupos de Jovens em geral e aqueles que pertencem, a PJ? Qual? 3. Quais são as tristezas e as alegrias da caminhada do Grupo de Jovens? 4. Qual será o futuro dos Grupos de Jovens e da PJ? 5. O que queremos com esta Assembleia Arquidiocesana para que favoreça a caminhada de nosso Grupo de jovens? COMO CONDUZIR A ASSEMBLEIA As assembleias paroquiais e setoriais deverão se construir em forma de encontros. Os objetivos propostos para a realização da Assembleia Arquidiocesana são: - Analisar e refletir sobre a realidade juvenil dos participantes dos grupos de jovens da Pastoral da Juventude; - Despertar para a pastoral de conjunto, em processo de comunhão com a Igreja; - Ajudar os grupos a valorizar e fortalecer o trabalho das equipes de coordenação, em níveis paroquial, setorial e arquidiocesano; - Avaliar, planejar e celebrar a caminhada da Pastoral da Juventude da Arquidiocese, através do encanto, da ousadia e da ação humana. Tais objetivos devem ser refletidos nas assembleias paroquiais e setoriais. Sugerimos que se utilize de materiais didáticos como pincéis, cartolinas, giz de cera e papel Krafit, além de disponibilizar para todos os participantes os textos de reflexão contidos neste material. As perguntas propostas deverão ser refletidas, anotadas suas respostas e encaminhadas para as próximas assembleias (paróquia – setor – arquidiocese). A Assembleia Arquidiocesana está adotando como símbolos para reflexão o rosto jovem como protagonista de sua história. A ambientação para os encontros da paróquia e do setor pode explorar esse aspecto, através de mascaras, pinturas e fotos. Elaborar aspectos positivos e aspectos negativos para serem levados as assembleias (paróquias – setores – arquidiocese). Ao término do encontro, eleger os dois representantes que irão participar das assembleias setoriais. Lembramos que, podem ser votados duas pessoas/grupo, com o mínimo de 1(um) ano de coordenação de grupo ou sendo assessores. É muito importante que se faça o envio desses representantes e rezar por eles. Já para AAPJ, irão à coordenação setorial mais os dois representantes de cada grupo. Finalizar com a oração da AAPJ. INFORMES - Sugerimos aos grupos de jovens a realização de um tríduo (três dias de oração) preparatório visando a IX Assembléia Arquidiocesana da Pastoral da Juventude, de acordo com suas particularidades e realidades; - Pode-se usar como instrumentos para esse tríduo o Ofício Divino das Comunidades ou Ofício Jovem (para aqueles que já o possuem), Leitura Orante da Bíblia, celebrações da palavra... - Cabe ao grupo envolver toda a comunidade paroquial no sentido de rezar pelo bom êxito. Para isso, sugerimos a inclusão de pedidos durante as Preces nas missas da comunidade. - Conversar com seu pároco sobre a realização da IX AAPJ e pedir com que ele divulgue nas missas, também em forma de oração. - Peça apoio a ele em caso de envio dos participantes até a cidade sede de Ouro Fino. - A Assembléia Arquidiocesana utilizará máscaras para sua ambientação. Por isso, contamos com que os grupos tragam cada um, máscaras, fotos, etc. - Durante a Assembléia haverá uma confraternização entre os participantes. ENCAMINHAMENTOS IX Assembléia Arquidiocesana da Pastoral da Juventude, Arquidiocese de Pouso Alegre Tema: “PJ: ROSTO JOVEM TESTEMUNHANDO UM NOVO TEMPO” Lema: “Se a Juventude Viesse a Faltar, o rosto de Deus Iria Mudar” Data: 06, 07 e 08 de Fevereiro de 2009. Local: Centro Pastoral João Paulo II – Ouro Fino/MG Horário: abertura dia 06, às 21h e encerramento, dia 08 às 15h. Taxa de participação: R$ 40,00 Assessoria: Ir. Joilson (Maristas/BH, IPJ Leste II e assessor da CRPJ) Transporte: haverá ônibus saindo da rodoviária de Pouso Alegre às 18h, de sexta-feira com destino a cidade de Ouro Fino. O retorno também se dará da mesma forma (no domingo, às15h30). Este ônibus é fretado pela organização do evento. Informativo: será produzido um informativo pela Equipe Executiva sobre o histórico da PJ em nossa diocese, para auxiliar na participação da assembléia, pois contará com históricos além de outras informações necessárias. Delegados: serão considerados delegados na IX AAPJ os 2 (dois) representantes de cada grupo, mais a EDPJ. Lembramos que estes terão direito a voto e participação nas decisões. Horários: reforçamos a necessidade do cumprimento dos horários de início e também das atividades durante a AAPJ, para que possamos participar tranqüilamente e termos as decisões tomadas com serenidade. Por isso a necessidade da chegada na sexta-feira. IX ASSEMBLEIA ARQUIDIOCESANA DA PASTORAL DA JUVENTUDE OURO FINO/MG 06, 07 e 08 DE FEVEREIRO DE 2009 EQUIPE EXECUTIVA João Batista dos Santos – coordenador (Ouro Fino) Heder Paulo – secretário infra-estrutura (Pouso Alegre) Daniel Augusto dos Santos – secretário finanças (Congonhal) Robisom Melo – secretário finanças (Ipuiuna) Roniere Rezende – secretário executivo (Cachoeira de Minas) Luís César da Fonseca – secretário executivo (Cambuí) Pe. Omar Aparecido de Siqueira – assessor (Cambuí) Robson Aparecido da Silva – seminarista assessor Rogério Lopes – seminarista assessor AGRADECIMENTOS Paróquia São Francisco de Paula – Ouro Fino Dep. Fed. Reginaldo Lopes Dep. Fed. Odair Cunha

    Reações:

    0 comentários:

    Postar um comentário